Nonada. O que aqui apresento não carece de muita explicação não, assim como a vida, isto aqui não é entendível. Fiz por querer, por fina força fazer. Botei na cabeça e pronto. Fui digitando uns trechos que mais me trouxeram pensamentos, que mais me deram mesmo susto ou admiração do meu livro maior. É! Meu livro maior: o “Grande Sertão: Veredas” do mineiro João Guimarães Rosa. Frases e mesmo parágrafos em espécies de aforismas aqui apresento. Verdades filosofadas! Verdades assim contadas como filosofias de um jagunço sabido pelo riscado do viver: Riobaldo Tatarana. Frases aqui algumas que já se espalharam pela internet e redes sociais como sendo de autoria não do personagem, mas de seu autor. Porém, prefiro aqui dar crédito à criatura, uma vez que penso que todo criador deve se orgulhar de suas boas criações. Assim, trago Riobaldo a tratar da vida que é sempre travessia, completaria ele, nem chegada nem partida. Deus no meio!

Transcrevo algumas das falas desse cabra ajagunçado pelo correr perigoso da existência no sertão mineiro de um Brasil que já se foi. A obra de Rosa foi originalmente publicada no ano de 1957. Era certamente um outro sertão, um outro país sobre os quais ele escrevia. Mas os dizeres do jagunço aqui transcritos ainda assim ressoam para além do lugar-sertão, para além do tempo-passado, para além de um país-diferente. Falas, algumas delas, que mais tendem para ensinamentos sobre a vida, sobre amizade, amor, dor, tristezas e alegrias. Sabedorias. Falas-ensinamentos, nem precisa dizer, descontextualizados. Não preocupo. Vá quem quiser contextualizar. Leia a obra. Apenas uma advertência, não um desencorajamento, para os menos hábeis e desacostumados na leitura: este não é livro fácil. A escrita usada é de um estilo todo próprio. O tecido delas que vai sendo feito numa conversa com um doutor que nem nada fala, vai torcendo os rumos de uma história épica, grandiosa. Posso nem falar, sou apaixonado pela obra, me descuido só em elogios.

Sem mais demoras, deixo aí os incautos interessados e que não leram “Grande Sertão”, esperanço, ensimesmados com o sumo do palavreado de Riobaldo. Como entendo que quem quer se coça! Dá um jeito! Quem não entender, ou se dê por desentendido, ou vai lendo devagar, para entender esses dizeres no inteiriço deles. E agora deixo em duas postagens, a primeira sendo esta, essas filosofias curtas sobre as veredas da vida, a qual, como repito, e vivo nessa lengalenga repetida desde então: é sempre travessia!

<Os trechos a seguir foram retirados da seguinte edição da obra:

ROSA, João Guimarães (1908-1967). Grande Sertão: veredas. 1ª Ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.>

 

“… o sertão está em toda parte.” (p. 08)

“Viver é negócio muito perigoso…

Explico ao senhor: o diabo vige dentro do homem, os crespos do homem – ou é o homem arruinado, ou o homem dos avessos. Solto, por si, cidadão, é que não tem diabo nenhum. Nenhum! – é o que digo. O senhor aprova? Me declare tudo, franco – é a alta mercê que me faz: e pedir posso, encarecido. Este caso – por estúrdio que me vejam – é de minha certa importância. Tomara não fosse… Mas não diga que o senhor, assisado e instruído, que acredita na pessoa dele!? Não? Lhe agradeço! Sua alta opinião compõe minha valia. Já sabia, esperava por ela – já o campo! Ah, a gente, na velhice carece de ter sua aragem de descanso. Lhe agradeço. Tem diabo nenhum. Nem espírito. Nunca vi. Alguém devia de ver, então era eu mesmo, este vosso servidor. Fosse lhe contar… Bem o diabo regula seu estado preto, nas criaturas, nas mulheres, nos homens. Até: nas crianças – eu digo. Pois não é ditado: ‘menino – trem do diabo?’ E nos usos, nas plantas, nas águas, na terra, no vento… Estrumes. … O diabo na rua, no meio do redemunho…” (p. 10-11)

“Uma coisa é pôr ideias arranjadas, outra é lidar com país de pessoas, de carne e sangue, de mil-e-tantas misérias… tanta gente – dá susto se saber – e nenhum se sossega: todos nascendo, crescendo, se casando, querendo colocação de emprego, comida, saúde, riqueza, ser importante, querendo chuvas e negócios bons… de sorte que carece de se escolher: ou a gente se tece de viver no safado comum, ou cuida só de religião só.” (p. 15)

“O senhor sabe: sertão é onde manda quem é forte, com as astúcias. Deus mesmo, quando vier, que venha armado! E bala é um pedacinhozinho de metal…” (p. 19)

“O senhor… Mire veja: o mais importante e bonito, do mundo, é isto: que as pessoas não estão sempre iguais – mas que elas vão mudando. Afinam ou desafinam. Verdade maior. É a que a vida me ensinou. Isso que me alegra, montão.” (p. 23)

“Somemos, não ache que religião afraca. Senhor ache o contrário. […]. Mocidade. Mas mocidade é tarefa para mais tarde se desmentir.” (p. 23)

“Eu atravesso as coisas – e no meio da travessia não vejo! – só estava era entretido na ideia dos lugares de saída e de chegada. Assaz o senhor sabe: a gente quer passar um rio a nado, e passa; mas vai dar na outra banda é um ponto muito mais em baixo, bem diverso do que em primeiro se pensou. Viver nem não é muito perigoso?” (p. 35)

“Mas ciúme é mais custoso de se sopitar do que o amor. Coração da gente – o escuro, escuros.” (p. 36)

“Moço: toda saudade é uma espécie de velhice.” (p. 40)

“Jagunço é homem já meio desistido por si…” (p. 51)

“Jagunço é isso. Jagunço não se escabreia com perda nem derrota – quase que tudo para ele é o igual. Nunca vi. Pra ele a vida já está assentada: comer, beber, apreciar mulher, brigar, e o fim final.” (p. 56)

“Confiança – o senhor sabe – não se tira das coisas feitas ou perfeitas: ela rodeia é o quente da pessoa.” (p. 56)

“Com Deus existindo, tudo dá esperança: sempre um milagre é possível, o mundo se resolve. Mas, se não tem Deus, há-de a gente perdidos no vai-vem, e a vida é burra. É o aberto perigo das grandes e pequenas horas, não se podendo facilitar – é todos contra os acasos. Tendo Deus, é menos grave se descuidar um pouquinho, pois, no fim dá certo. Mas, se não tem Deus, então, a gente não tem licença de coisa nenhuma! Porque existe dôr.” (p. 60)

“O amor? Pássaro que põe ovos de ferro”. (p. 61)

“Digo: o real não está na saída nem na chegada: ele se dispõe pra gente é no meio da travessia.” (p. 64)

“Viver é um descuido prosseguido.” (p. 70)

“Tem horas em que penso que a gente carecia, de repente, de acordar de alguma espécie de encanto. As pessoas, e as coisas, não são de verdade!” (p. 84)

“No real da vida, as coisas acabam com menos formato, nem acabam. Melhor assim. Pelejar por exato, dá erro contra a gente. Não se queira. Viver é muito perigoso…” (p. 85)

“Cada hora, de cada dia, a gente aprende uma qualidade nova de medo!” (p. 87)

“O mal e o bem, estão é quem faz; não é no efeito que dão.” (p. 97)

“A lembrança da vida da gente se guarda em trechos diversos, cada um com seu signo e sentimento, uns com os outros acho que nem não misturam. Contar seguido, alivanhado, só mesmo sendo as coisas de rasa importância. De cada vivimento que eu real tive, de alegria forte ou pesar, cada vez daquela hoje vejo que era como se fosse diferente pessoa. Sucedido desgovernado. Assim eu acho, assim é que eu conto. […]. Tem horas antigas que ficaram muito mais perto da gente do que outras, de recente data.” (p. 98-99)

“Ao que o digo ao senhor, pergunto: em sua vida é assim? Na minha, agora é que vejo, as coisas importantes, todas, em caso curto de acaso foi que se conseguiram – pelo pulo fino de sem ver se dar – a sorte momenteira, por cabelo por um fio, um clim de clina de cavalo. Ah, se não fosse cada acaso, não tivesse sido, qual é então que teria sido o meu destino seguinte? Coisa vã, que não conforma respostas. Às vezes essa ideia me põe susto.” (p. 126)

“O que demasia na gente é a força feia do sofrimento, própria, não é a qualidade do sofrente.” (p. 134)

“Para que referir tudo no narrar, por menos e menor? Aquele encontro nosso se deu sem o razoável comum, sobrefalseado, como do que só em jornal e livro é que se lê. Mesmo o que estou contando, depois é que pude reunir relembrado e verdadeiramente entendido – porque, enquanto coisa assim se ata, a gente sente mais é o que o corpo a próprio é: coração bem batendo. Do que o que: o real roda e põe diante. – ‘Essas são as horas da gente. As outras, de todo tempo, são as horas de todos’ – me explicou o compadre meu Quelemém. Que fosse como sendo o trivial do viver feito uma água, dentro dela se esteja, e que tudo ajunta e amortece – só rara vez se consegue subir com a cabeça fora dela, feito um milagre: peixinho pediu.  Por que? Diz-que-direi ao Senhor o que nem tanto é sabido: sempre que se começa a ter amor a alguém, no ramerrão, o amor pega e cresce é porque, de certo jeito, a gente quer que isso seja, e vai, na ideia, querendo e ajudando; mas, quando é destino dado, maior que o miúdo, a gente ama inteiriço fatal, carecendo de querer, e é um só facear com as surpresas. Amor desse, cresce primeiro; brota é depois.” (p. 138-139)

“Sei que tenho culpas em aberto. Mas quando foi que minha culpa começou? O Senhor por ora mal me entende, se é que no fim me entenderá. Mas a vida não é entendível.” (p. 140)

“Afirmo ao senhor, do que vivi: o mais difícil não é um ser bom e proceder honesto; dificultoso, mesmo, é um saber definido o que quer, e ter o poder de ir até no rabo da palavra.” (p. 174)

Anúncios